Como e quando o novo CTE afeta a indústria do vidro

Como e quando o novo CTE afeta a indústria do vidro

Como todos sabemos, a crise do coronavírus afeta muito mais do que sistema de saúde. E acaba por abalar  também a nova regulamentação do Código Técnico de Edificações (CTE), concretamente nos prazos de candidatura voluntária, que são alterados de acordo com a nota informativa publicada no início de abril. De acordo com esta nota, para a contagem final do referido prazo de aplicação voluntária, o período, em dias corridos, correspondente à duração do estado, devendo somar-se seis meses ao seu prazo inicial (cuja data de término original era 27 de junho de 2020).

O contexto atual e as incertezas que trouxe, fazem com que no setor se fale ainda mais, se possível, do novo CTE, aprovado em dezembro passado e obrigatório já no final de setembro de 2020. 

As alterações que implica dizem respeito, genericamente, à poupança energética, aos requisitos básicos dos edifícios em termos de saúde e segurança contra incêndios. Estes são os três fatores onde assenta a mudança, mas sobretudo o primeiro – a poupança energética – afeta diretamente a indústria do vidro e as fachadas dos edifícios, exigindo-se estas reduções nominais no consumo energético primário não renovável; passa a existir a obrigatoriedade da utilização de uma determinada percentagem de energia renovável e são exigidos requisitos de isolamento mais elevados para determinados casos, nomeadamente obras de reabilitação, por exemplo.

O vidro é, sem dúvida, um elemento chave em qualquer fachada das obras de arquitetura e, portanto, de acordo com todas estas alterações, a transmitância térmica (valor U) e o controlo solar são duas das variáveis em que o texto mais progride e, em grande medida, ultrapassa a legislação de 2013 com o objetivo de se aproximar mais das metas europeias. 

Os prazos para aplicação dos novos regulamentos CTE sofrem modificações em função do estado de emergência decorrente da pandemia da Covid-19

É já uma evidência que são necessárias melhorias significativas no que diz respeito ao valor U das janelas e que, para obra nova, procuram-se sobretudo soluções e produtos com baixas emissões, como o Guardian ClimaGuard ou o Guardian Sun. Para dar resposta às exigências em termos do fator solar, as opções são direcionadas mais para os vidros Guardian Sun e SNX 60. Soluções que irão permitir ao utilizador do edifício tirar o máximo partido da luz natural e da vista exterior, respeitando a nova regulamentação no que ao fator solar diz respeito, mas sem a necessidade de elementos externos de sombreamento no próprio edifício. 

As unidades de vidro duplo e triplo GUARDIAN SELECT, equipadas com os referidos vidros, cumprem todas estas normas para garantir uma construção sustentável e energeticamente eficiente, promovendo a máxima entrada possível de luz natural e procurando sempre o conforto dos espaços interiores.

Por último, todas estas mudanças afetarão as obras novas e todas as que requeiram licença de construção. O próprio documento legislativo especifica os valores exigidos em cada caso, sendo também necessário considerar os parâmetros e características do próprio edifício. Assim, recomendamos que procure especialistas que saibam interpretar corretamente as características gerais de cada projeto, tendo uma visão global do mesmo.

Si te ha gustado… ¡comparte en redes sociales!